segunda-feira, 22 de março de 2010

Cavaleiro Sacerdote Templário do Santo Arco Real

A Ordem dos Cavaleiros Sacerdotes Templários do Santo Arco Real - também chamada de Ordem de Santa Sofia - é um órgão soberano, com existência independente regido pelo Grande Colégio a partir de sua sede em Castlegate, York. Enquanto ele exerce autoridade exclusiva sobre trinta e um graus suplementares, se tornou famoso particularmente pelo grau de mesmo nome, hoje universalmente reconhecido como um aspecto importante dentro da estrutura mais ampla da Maçonaria.
Após investigação, o Grau de Cavaleiro Templário Sacerdote é aquele que pode ser encontrado em diversas formas e em vários ritos durante o século XVIII. Embora ações tenham sido feitas anteriormente é conhecido por ter existido na Irlanda nas últimas duas décadas do século XVIII, onde também pode ser encontrado como o grau 41 (Maçom Branco) no Novo Grande Rito. Ele era conferido pelo “Grupo de União" que parecia ter emanado das Lojas Simbólicas onde os Maçons do Arco Real associavam com os seus Irmãos Templários para propagar o grau com o presidente sendo designado como Sumo Sacerdote. Este e vários outros graus do Rito foram levados para a Escócia, em 1798. De lá, eles parecem ter se espalhado para Newcastle, Bristol, Bath e York. Mas sem a administração central, as circunstâncias conspiraram para produzir uma existência um tanto precária, resultando em uma escassez de registros confiáveis, até meados do século XIX.
A partir de 1812 o Grau foi possivelmente conferido dentro de um “Grupo de União” ou do Tabernáculo anexado ao Acampamento Royal Kent em Newcastle-upon-Tyne, que viria a ficar sob a autoridade do Conselho de Cavaleiros da Grande Cruz do Templo Sagrado de Jerusalém, um corpo erguido em Newcastle em 1845 para assumir o controle. No período de 1885-1895 os graus suplementares parecem ter sido reunidos em Newcastle-upon-Tyne, mas, apesar de períodos intermitentes de atividade em 1893, o Conselho começou a definhar. Em conseqüência, Henry Hotham, um maçom de Yorkshire, que era o único membro sobrevivente do Conselho, estando de posse da autoridade necessária, admitiu nove cavaleiros para o grau em março de 1894. Ele conferiu o posto de Grande ou Sumo Sacerdote Passado para cada um deles, título usado pelo líder do Tabernáculo em Newcastle naquele momento. Esta ação positiva deve ter tido um efeito de conservação, pois dentro de alguns anos o corpo de Newcastle foi convidado a apresentar à autoridade do Supremo Conselho dos Graus Maçônicos Associados em Londres, que, naquele tempo, procurava agressivamente alargar sua influência, anexando todas as Ordens e Graus que eram independentes.
Após diálogo satisfatório o Tabernáculo Royal Kent aderiu ao governo dos Graus Maçônicos Associados e foi concedido imediatamente status de “Immemorial Time”, juntamente com o direito de continuar trabalhando seus diversos graus. No entanto, a maior parte destes graus cedidos para o Grande Conselho dos Graus Associados mostrou-se impraticável e inadequado para o corpo de Londres administrar ou implantar visto que a maioria deles exige uma qualificação dos Templários, uma exigência fora da jurisdição reconhecida do Grande Conselho dos Graus Associados.
Sem dúvida o evento mais significativo e agradável na história do grau teve lugar em Outubro de 1922, quando C.W. Napier-Clavering, Grão-Mestre dos Graus Maçônicos Associados, anunciou que o seu Grande Conselho passaria a renunciar a autoridade sobre esses graus. Esta declaração estimulou a formação de um órgão para a regulação da Ordem. Em conseqüência, Napier-Clavering, que tinha sido admitido como um Cavaleiro Sacerdote Templário, cerca de dez anos antes, foi instalado como o primeiro Grande Sumo Sacerdote na inauguração do Grande Colégio que teve lugar em Newcastle-upon-Tyne em maio 1924. Curiosamente, alguns anos mais tarde, em 1931, o Grande Conselho sob sua orientação, também abandonou o controle sobre a Ordem do Monitor Secreto.
Os Graus
Cavaleiro Sacerdote Templário: Enquanto o Grande Colégio tem autoridade sobre trinta e um graus suplementares dentro do rito, apenas um é conferido na íntegra, o de Cavaleiro Sacerdote Templário ou Ordem de Santa Sofia. A instalação de um Sumo Sacerdote de um Tabernáculo compreende apenas uma cerimônia simples, apesar de ter sido inicialmente descrito como o Nec plus ultra da Maçonaria Templária.
Os regulamentos da Ordem prevêem que um candidato para a admissão deve ser sido regularmente instalado como Venerável Mestre de uma Loja simbólica, ser Maçom do Arco Real e Cavaleiro Templário, e ser proposto por um membro de cada corpo. O ritual é bastante singular na medida em que é moldado em torno de sete “pilares” os oficiais estão sentados nos pilares individuais estabelecidos em forma triangular, cada um representando figurativamente um dos espíritos do Cordeiro de Deus que abriu os sete selos, descrito no Apocalipse, capítulos 6 - 8.
O candidato é recebido como um buscador e é conduzido a cada um dos oficiais, sentados nos seus respectivos pilares coloridos, que são dotados de um missal de uma cor semelhante contendo os textos bíblicos relativos a esta fase da viagem do candidato. Em cada pilar, ele é obrigado a fazer prova da sua posse do pré-requisito ao grau, e durante esta viagem, ele é instruído na aquisição de determinados atributos divinos, cada um dos quais se refere a um dos sete espíritos revelados pelo Cordeiro de Deus.
Ele é então investido com uma túnica, manto e mitra, e perante o Sumo Sacerdote, quando, após a oração, ele é obrigado, constituído e ungido como um Cavaleiro Sacerdote Templário. Os "modos de reconhecimento” são comunicados e, em seguida, ele é investido com os trinta e um graus suplementares que lhe são conferidas pelo nome. A maioria destes são os graus de cavalaria, como, por exemplo, o Cavaleiro de Patmos ou Philippi, Cavaleiro da Marca Cristã, Cavaleiro de Elêusis e Cavaleiro da Bethânia.
Finalmente, a sua atenção é atraída para o símbolo triangular da Ordem Sacerdotal em que certas letras fazem alusão aos mistérios do Grau são consagrados.
Sumo Sacerdote
Um candidato a eleição para o cargo de Sumo Sacerdote deve ter servido como oficial no Pilar VI ou VII por um ano inteiro para se qualificar para a instalação na cadeira de um Tabernáculo. O ritual é desenvolvido em torno de leituras das Escrituras e se encontra no segundo capítulo do livro de Oséias, na qual ela relata como Deus oferece perdão e uma renovação da sua aliança com os filhos de Israel. O Sumo Sacerdote devidamente eleito é obrigado, constituído e ungido dentro de uma Câmara de Sumos Sacerdotes Instalados, a ele então são confiados os segredos e, após a devida proclamação, assume as responsabilidades como governante do seu Tabernáculo.
O Grande Ponto
Esta cerimônia profunda, não constitui um grau, mas certamente pode ser considerada como o pináculo do Rito. Só pode ser conferido em uma reunião do Grande Colégio, após uma cerimônia de consagração, ou uma vez durante o ano, quando o Grande Sumo Sacerdote sozinho, o seu Deputado, ou o Grande Superintendente de um distrito, estão autorizados a celebrar esse ritual solene. Os membros reúnem em forma triangular e comprometem-se com uma solene oração sua reverência a Santíssima Trindade. Eles são lembrados pelos elementos que participam coletivamente e que explicam que os dons do amor, alegria e paz, apesar de serem recebidos interiormente e exteriormente, são emblemas da unidade incorporada nessa marcante Ordem Santa.
O paramento é composto por um manto branco puro, usado sobre uma túnica com uma cruz vermelha de corpo inteiro para frente, juntamente com uma mitra que carrega uma cruz vermelha na frente e nas costas. Um Sumo Sacerdote tem uma Mitra alta, que apresenta a Cruz Patriarcal. Os oficiais do Grande Colégio são distinguidos por uma mitra semelhante que traz um bastão episcopal dourado afixado na intersecção da parte inferior do braço da cruz, juntamente com o número de seu pilar, ou as iniciais da sua respectiva posição.
Quanto ao mérito da Ordem
Hoje esta Ordem Sacerdotal continua a florescer e expandir, desfrutando de uma reputação internacional, com mais de 220 Tabernáculos consagrados, agrupados em quarenta e cinco distritos situados em quinze países. Apresenta-se como uma Ordem imbuída de qualidades especiais, um único Grau que conquistou e reforçou o interesse de muitos Irmãos experientes e de alta posição maçônica.
Embora o número místico sete seja predominante no cerimonial, a leitura extensiva do Antigo e do Novo Testamento também desempenham um papel importante. Estes podem parecer à primeira vista volumoso e enorme, mas a disciplina da reflexão silenciosa e estudo cuidadoso oferecem ao maçom uma oportunidade para avaliar o seu papel dentro do projeto de vida, a presciência de seu destino será sempre manter o homem de fé.

Keith Jackson é um membro da maioria das ordens reconhecidas na maçonaria, possui cargos elevados em muitas delas. Ele tem feito inúmeras palestras e é autor do livro Além da Maçonaria Simbólica (no Brasil publicado pela Editora Madras).
fonte: Freemsonry Today - inverno de 2009 - edição 51

Nenhum comentário:

Postar um comentário